Notícias

Gás estará 10% mais caro a partir da próxima semana

26 08:37:29/08/2016

O Gás Liquefeito de Petróleo aumentará aproximadamente 10% na próxima semana, com reajuste vigorando na quinta-feira, dia 1º de setembro. A adequação, anunciada pela Associação Brasileira de Revendedores de Gás Liquefeito (Asmirg-BR) e válida para todo o território brasileiro, equivale a cerca de R$ 5 no valor total na compra de um botijão do produto. Todo ano o aumento acontece nesse mesmo período, devido aos dissídios coletivos dos trabalhadores das distribuidoras.

Mas, de acordo com o presidente do Sindicato dos Revendedores de GLP de Santa Catarina (Sirgas/SC), Fernando Bandeiras, o reajuste dos custos operacionais de todo o setor também influencia no aumento final até o consumidor. Para alinhar esse total, é contabilizado o preço do diesel e da energia utilizada na produção.  O novo valor já foi comunicado pelas Asmirg-BR para todos os seus revendedores.O Gás Liquefeito de Petróleo aumentará aproximadamente 10% na próxima semana, com reajuste vigorando na quinta-feira, dia 1º de setembro. A adequação, anunciada pela Associação Brasileira de Revendedores de Gás Liquefeito (Asmirg-BR) e válida para todo o território brasileiro, equivale a cerca de R$ 5 no valor total na compra de um botijão do produto. Todo ano o aumento acontece nesse mesmo período, devido aos dissídios coletivos dos trabalhadores das distribuidoras.

“O valor impacta quem distribui e quem consome, porque é uma cadeia. Atualmente um botijão de 13 quilos é vendido por R$ 55. Com o aumento, ficará por aproximadamente R$ 60”, diz Bandeira. No entanto, esse percentual já é o esperado pelos revendedores de gás. “Como o dissídio acontece sempre em setembro é um aumento que já estamos esperando e ele está dentro do previsto. Ano passado o percentual foi mais ou menos de 10% também”, explica Bandeira.

Orientação aos revendedores 

No Brasil, a empresa Petrobrás é responsável pela produção de GLP, enquanto existem outras 10 companhias distribuidoras desse produto.  Na região Sul de Santa Catarina não possui nenhum distribuidor local. “Geralmente, revendemos gás de distribuidoras de Canoas, no Rio Grande do Sul, de Itajaí ou ainda de Auracária, no Paraná. O gás normalmente já é mais caro para a região, porque ele já se encontra mais longe também”, explica o presidente da Sisgás, Fernando Bandeira.

A  Asmirg-BR orienta as revendas a refazerem a análise do impacto desse reajuste através do site da associação, já que cada uma tem um custo operacional específico. A planilha de avaliação está disponível através do endereço: www.asmirg.com.br/legislacao/.

Clicatribuna

 

Fonte: Ligado no Sul. 

Foto: A Tribuna/Arquivo

O Gás Liquefeito de Petróleo aumentará aproximadamente 10% na próxima semana, com reajuste vigorando na quinta-feira, dia 1º de setembro. A adequação, anunciada pela Associação Brasileira de Revendedores de Gás Liquefeito (Asmirg-BR) e válida para todo o território brasileiro, equivale a cerca de R$ 5 no valor total na compra de um botijão do produto. Todo ano o aumento acontece nesse mesmo período, devido aos dissídios coletivos dos trabalhadores das distribuidoras.

Mas, de acordo com o presidente do Sindicato dos Revendedores de GLP de Santa Catarina (Sirgas/SC), Fernando Bandeiras, o reajuste dos custos operacionais de todo o setor também influencia no aumento final até o consumidor. Para alinhar esse total, é contabilizado o preço do diesel e da energia utilizada na produção.  O novo valor já foi comunicado pelas Asmirg-BR para todos os seus revendedores.

“O valor impacta quem distribui e quem consome, porque é uma cadeia. Atualmente um botijão de 13 quilos é vendido por R$ 55. Com o aumento, ficará por aproximadamente R$ 60”, diz Bandeira. No entanto, esse percentual já é o esperado pelos revendedores de gás. “Como o dissídio acontece sempre em setembro é um aumento que já estamos esperando e ele está dentro do previsto. Ano passado o percentual foi mais ou menos de 10% também”, explica Bandeira.

Orientação aos revendedores 

No Brasil, a empresa Petrobrás é responsável pela produção de GLP, enquanto existem outras 10 companhias distribuidoras desse produto.  Na região Sul de Santa Catarina não possui nenhum distribuidor local. “Geralmente, revendemos gás de distribuidoras de Canoas, no Rio Grande do Sul, de Itajaí ou ainda de Auracária, no Paraná. O gás normalmente já é mais caro para a região, porque ele já se encontra mais longe também”, explica o presidente da Sisgás, Fernando Bandeira.

A  Asmirg-BR orienta as revendas a refazerem a análise do impacto desse reajuste através do site da associação, já que cada uma tem um custo operacional específico. A planilha de avaliação está disponível através do endereço: www.asmirg.com.br/legislacao/.

Clicatribuna

Fotos


Outras Notícias